Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura

Compreenda como a medicina mais antiga do mundo pode ajudar a melhorar a energia vital do seu corpo e mente através de recursos alternativos. Conheça as técnicas e a história da medicina chinesa e se surpreenda.

A Acupuntura

Se alguém pensa em Medicina Chinesa, a vertente mais popular é a Acupuntura. Tão antiga quanto os conceitos da filosofia chinesa, a acupuntura emprega a estimulação de pontos específicos e pré determinados no corpo para que ocorra um efeito desejado através de uma melhor circulação da energia (Qi).

Técnica milenar que, segundo estudo, em seus primórdios utilizava varas de bambu ou fragmentos de madeira para estimulação, na era moderna emprega agulhas finas de metal, dos mais variados tamanhos, cuidadosamente colocadas sobre os acupontos, ou seja, pontos localizados nos Meridianos que permeiam o corpo.

Acupuntura e suas agulhas devidamente inseridas, servem para o tratamento de qualquer problema de saúde, físico, mental ou emocional, e não somente par dores

O conceito dos Meridianos é amplamente discutido frente às pesquisas contemporâneas sobre Acupuntura, pois os mesmos nunca foram provados cientificamente sobre a sua existência. Segundo a teoria clássica, o corpo humano é forrado em sua superfície por canais que correspondem em grande parte, a órgãos internos e podem ter trajetos internos associados. Tais canais, os denominados meridianos, possuem pontos conhecidos com efeitos específicos. Tais ações levam ao efeito desejado pelo terapeuta, que pode variar desde um alívio doloroso até uma paz interior (sim, é possível). Logo, a Acupuntura e suas agulhas devidamente inseridas, servem para o tratamento de qualquer problema de saúde, físico, mental ou emocional e não somente para dores, como a maioria das pessoas pensa de imediato.

A sessão de acupuntura, baseia-se nessa teoria do Qi, amplamente discutida por aqui, e por isso deve durar cerca de trinta minutos, pois na teoria chinesa, esse tempo seria o necessário para a circulação completa da energia pelo corpo. Durante a sessão, o paciente fica com as agulhas devidamente colocadas e após o término da sessão, as mesmas são retiradas e o paciente é liberado. A periodicidade da sessão varia de acordo com o problema do paciente e a modalidade terapêutica exercida pelo acupunturista, mas geralmente é semanal. O tamanho das agulhas e a reutilização das mesmas depende de cada profissional. Os locais de inserção das agulhas também podem variar de acordo com o problema em questão e a forma de tratamento pensada para o caso (se você tiver uma dor nas costas, por exemplo, nem sempre as agulhas vão ser inseridas onde dói, pois o conceito é permitir uma melhor circulação do Qi no meridiano acometido e cada um deles tem vários pontos que podem ser utilizados, certo?).

A acupuntura não tem restrição de idade (porém vamos pensar: nem toda criança consegue ficar espetada com um monte de agulhas por 30 min, logo, em crianças e pacientes que tenham fobia de agulha, usa-se a Auriculoterapia, que será discutida em outro tópico). Também não há restrições específicas de modo de vida após uma sessão de acupuntura. Em gestantes, dependendo do problema a ser tratado, evita-se certos pontos de acupuntura que podem ocasionar problemas gestacionais, mas de uma maneira geral também pode-se tratar e em alguns casos, a acupuntura vira um arsenal terapêutico primordial nas pacientes que não podem tomar medicamentos. A acupuntura pode ser dolorosa? Sim. Alguns pontos (como mãos e pés) podem ser mais dolorosos, mas nada fora do comum e plenamente suportável. Em geral a acupuntura é bem tolerada em relação a dor.

Compartilhar