por Anisia de Castro

Caminhos do medo

O medo nos faz cometer loucuras. Às vezes tudo o que você quer é jogado fora.

Sabe aquele moço lindo que você vive sonhando? Pois é, ele aparece na sua frente e puxa conversa com você, olha para você, é gentil com você, então num rompente de não sabe o que você baixa o olhar, fecha o rosto e sai correndo, tentando escapar, do que mesmo?

No I Ching diz: e aí você perde sua tartaruga mágica (aquela que pode todas as coisas do Universo.) Como? Fugindo. Do que mesmo? Da Loucura que é realizar meu sonho! Só pode ser, não é? Perde a tartaruga mágica.

Simplesmente porque deixa de acreditar, de sonhar e de desejar realizar seu Eu positivo. Sabe aquele que acerta no alvo? Aquele que cria o melhor e que você nem sabia como? Sim, muitas vezes nos perdemos de nós mesmos, e não sabemos mais repetir a mágica, puxa! Como é que era mesmo? (Gostar de mim, querer coisas legais para mim, me cuidar, ficar bonita. Confiar em mim).

Momento em que começa a rodar em círculos fechados; em busca de algo ao redor. Você olha, olha e não acha nada, é como procurar agulha no palheiro. Sim, não está fora. Está simplesmente dentro de nós.

Neste exato momento, é a vez de entrarmos no Reino das Sombras, para investigar, o que mesmo, está acontecendo comigo? E o que é a Sombra? É o lugar em que algo meu está perdido, onde a sensação é de não conhecimento, não Luz, escuridão. Alguns falam também de inconsciente, algo que está onde não tenho consciência, onde não tenho luz.

Neste caminho encontramos vários companheiros: inconstância, desgostos, falta, perda, roubo, ameaças, culpa, dor, etc. E verificando melhor, encontro ali, um grande guardião, um grande senhor: o Medo (Oh! Que mundo de horror! Parece o dono do Castelo assombrado). Sim, para quem já experimentou, o Medo é assustador, e muitos podem desenhá-lo de diferentes formas, mas a sensação que ele causa é a mesma. Geralmente é acompanhado de grandes frustrações, cobranças e julgamentos. O que existe para ser apenas o sentinela acaba tornando-se o dono do Castelo. E isso quem faz somos nós mesmos. Castelo de ilusões, passeio pelo círculo dos horrores, e muito mais está guardado ali: figuras bizarras, pensamentos falantes hostis, lembranças e memórias que vem nem se sabe da onde. Mas, Agora vamos para o fim de tudo isso? Basta de horror, não é mesmo?

Eu quero alegria, amor, prosperidade, amigos, presentes! E não quero dar o fora quando algo de bom vier de novo para mim. Então, há que saber lidar com o senhorzinho Medo. Ele existe para sinalizar perigos, cuidados e, uma vez, que tenhamos consciência disso vamos(eu em companhia de mim mesma) seguindo nosso caminhar rumo à novas e felizes realizações..

Quando o Medo se apresentar por meio de palavras ou sensações pergunte a ele: de onde você vem? E escute a resposta. A quem você pertence? Escute a resposta. O que você quer? E veja quem ou o que realmente ele quer de você, que ilusão ele está trazendo.

Reconheça a situação que ele apresenta, identifique claramente, resolva e desligue-se da situação a sua maneira, pode ser até cortando a coisa em questão, ritualizando através de um banho, de uma limpeza com ervas, com água, ou com fogo.

Deixem as lembranças negativas irem embora, até agradecendo o que você aprendeu com elas, desapegue-se de seu medo empecilho favorito, solte as flores mortas, as frutas e roupas vencidas, deixem-nas seguir o caminho delas para bem longe de você, onde elas foram criadas.

OK! Agora você pode existir para a sua vida! A melhor que os seus sonhos permitirem.

Anisia de Castro

+ artigos

Psicoterapeuta, astróloga e xamã. Formada em psicologia e com formação em diversos cursos, como Xamanismo, Exorcismo, Metafísica da Saúde, Atendimento a tentativas de suicídios, Biodança, Bioenergética, Meditação Osho e Yoga. É especializada em síndromes do século XXI, como pânico, estresse, depressão e problemas de relacionamento.