Compartilhar

por Cássia Marina Moreira

O Deus da nossa infância

Com vários problemas acontecendo no mundo todo, como bombas e cataclismos, me pergunto...

Por onde anda aquele Deus que tanto ocupava nossa mente e nossas orações? Ele aparecia nas incontáveis aflições, nas horas difíceis e de necessidade na época da meninice... Mas hoje me parece tão mais longe da infância e da criançada de agora. 

Mesmo quem não vinha de uma escola religiosa trazia de casa certa força na crença de que podia contar com Deus de forma inequívoca desde pequenino. Não existe um Deus muito presente na infância, pelo menos é o que vejo com as crianças de agora.

Deus é chamado e clamam por ele, sem dúvidas — inclusive a meninada. Porém, me parece ser apenas uma expressão verbal vazia e automática do tipo “Se Deus quiser” ou também aquele conhecido agradecimento “Graças a Deus”. Contudo, a questão é: essas coisas vêm lá de dentro e demonstram mesmo devoção?

Tempos atrás, o coração dos pequenos era por acaso mais puro? Ou a simplicidade dos problemas das crianças de então era maior e por isso eles eram de mais fácil realização? Com isso, acreditar se tornava mais acessível por conta da concretização deles? 

Penso que talvez o perdão para as possíveis faltas ajudava bastante, uma vez que não se esperava muito para que ele acontecesse. As igrejas sempre abertas e os padres sempre dispostos a ouvir confissões, conversar conosco e mediar esse perdão entre Deus e quem fosse em busca dele. Hoje em dia, o perdão demora mais a vir. As igrejas fecham cedo — algumas nem abrem ou só abrem quando há um padre que passa por lá vez ou outra. E eles nem sempre estão a postos para nos atender...

Em casa ou nos colégios, pode ser que não se ensine mais as crianças de hoje em dia a ter devoção e conversar com Ele para trocar uma ideia em qualquer lugar onde se esteja. Bom... Isso é um aprendizado extra. O que não sei bem se é uma matéria fácil para se ensinar ou se é um aprendizado despertado naturalmente, por um motivo ou outro, uma hora ou outra na vida de cada um — seja criança ou adulto.

Embora muitas pessoas hoje em dia não tenham contato com esse ser superior da antiga infância, é sempre possível encontrá-lo dentro e fora de nós. O que é maravilhoso sempre. Sem ser algo de cunho absolutamente religioso, pois podemos sempre mostrar coisas maravilhosas que a ciência também explica. No entanto, existem certas coisinhas que bem podem ser vistas como milagres e que acontecem pela força e graça deste Ser, deste Deus...

Isso, claro, quando estamos aptos a crer.

Este é um dos momentos em que necessitamos muito crer em algo maior. É também um bom momento para despertar essa possibilidade e encontrar esse canal que sempre esteve e está aberto para tal.

Crer é incrível e nos dá poderes extraordinários para sair de crises, pois abre as janelas quando as portas se fecham. Crer traz esperança sem barrar a realidade, mas consegue mudar a ótica pela qual estamos encarando determinada situação. É como ampliar nossa visão do todo. 

Então, o despertar desse aprendizado é mudar a forma de ver certas coisas pelas quais passamos ou pelas quais o mundo passa. Porém, com um aliado de peso ao nosso lado que nos fortalece e conduz pela senda dos acontecimentos.

Compartilhar

Cássia Marina Moreira

+ artigos

Psicóloga com especialização em Terapias Florais. Autora dos livros “Águas que transformam - conheça as essências vibracionais da natureza” e “Essências Vibracionais D'Água”.

site essenciasdagua.com

facebook Essências Vibracionais D'Água

email [email protected]

skype Cassia_Marina