por Lilian Evangelista

O minuto mais importante

Outro dia, em uma rede social de amigos queridos, li a seguinte postagem: 

- Falta muito para a sexta feira?

Eu tinha que dar o meu "pitaco":

- Gente, vamos viver a segunda como se fosse sexta, porque do contrário fazemos com que o tempo passe rápido demais. 

É claro que ninguém me entendeu. Porque talvez isso seja uma coisa que apenas eu deseje. Que o tempo não passe, ou que pelo menos, diminua a sua marcha. Duas coisas impossíveis de se desejar.

Tempo é tempo, e é sempre o mesmo. Cada dia com suas 24 horas, impossível de se alterar. Mas a pergunta é: O que estamos fazendo com essas horas?

É claro, que também eu, depois de uma semana cheia, desejo o meu fim de semana para ver amigos, sair, viajar se for um "prolongado", ler meus livros, escrever com mais sossego, curtir meus filhos, meu marido ou ficar de "pernas para o ar".

E para que isso aconteça, estamos sempre vivendo no minuto que ainda não veio, sempre desejando as horas que ainda não existem, projetando a nossa felicidade no amanhã, deixando de viver o presente, que é o agora. E fazendo isto, deixamos de prestar atenção no momento, não nos damos conta da enorme riqueza de inúmeras paisagens que não vemos, fazendo com que nos tornemos seres sem memória.

Querendo a sexta, esquecemos da semana toda; querendo o ano novo, esquecemos todos os meses, e de repente não temos mais 20 ou 30 anos, mas chegamos aos 60, 70, 80, sem perceber.

Existe um exercício budista do "aqui e agora":

"Aqui e agora", estou respirando, e sentindo todo o ar entrar pelo meu corpo me dando vida.

"Aqui e agora", desejo ver o que esta vida quer mostrar para mim.

"Aqui e agora", estou trabalhando e dedicando o meu tempo para que o meu trabalho seja bom.

"Aqui e agora"...  e por aí vai.

Aqui e agora, se torna assim o minuto mais importante, aquele que é vital, que nos resgata de nós mesmos. Que saibamos viver os nossos "aqui" e os nossos "agora".

Pisar no freio, engatar a primeira, e observar a beleza de cada dia. Talvez assim a segunda deixe de ser um dia chato, talvez assim nossa vida se torne mais leve, mais feliz. E daqui alguns anos, possamos nos lembrar com saudade de momentos que ficaram para sempre, pelo simples motivo de que soubemos vivê-los intensamente.

Lilian Evangelista

+ artigos

Escritora de coração. Casada, mãe de dois filhos. Um livro publicado no ano de 2014 "Entre anjos e flores" pela Editora Virtual Ânema. Atualmente escrevo em meu blog pessoal. "Descobri que as palavras são a minha revelação,e permitem que eu seja essa pessoa que se constrói e se desfaz, pois a cada nova palavra, um novo pensamento."