Compartilhar

por Giovanna Sapienza

Amor universal – Sobre crenças, religiões e orientações ideológicas

Estamos em um momento de aprendizado e transformações planetárias. As regras estão mudando, a sociedade está se reestruturando, novos costumes, novos caminhos, mas algumas leis continuam as mesmas. O amor e o respeito são conceitos que prevalecem por décadas e décadas, são leis universais que regem o cosmos e a criação e são ferramentas imprescindíveis para quem quer ter uma vida (material ou espiritual) realmente feliz.

"Quando falo de amor, me refiro ao sentimento universal ensinado em todas as nações, religiões e momentos históricos"

Quando falo de amor, estou me referindo a este sentimento universal que foi ensinado em todas as nações, religiões e momentos históricos. Hoje estamos suficientemente desenvolvidos para entendermos e, principalmente, praticarmos a Lei do Amor. Manifesto principalmente pelo respeito e pela liberdade, o amor universal vai muito além do seu círculo familiar e/ou social. Ele é na verdade uma extensão deste primeiro núcleo, e acolhe cada vez mais pessoas, seres e formas de manifestação divina.

Nova Era, novas ações

O motivo principal de falar a respeito desta Lei Universal é que estamos atravessando um momento delicado, não só no nosso País, mas em todo globo. E apesar da crescente conscientização das pessoas a respeito de diversos assuntos, infelizmente ainda sofremos muito com a imposição de determinados posicionamentos, consequentemente com a falta de amor universal.

A partir do momento em que você tenta “converter” ou obrigar uma pessoa, seja por quais meios forem, a acreditar na sua crença, religião ou manifestação ideológica você está extinguindo o amor universal. Este convencimento é praticado de diversas formas, desde a conversão forçada, até as ações mais cruéis como imposição do medo, da repressão, da depreciação de uma crença diferente da sua, entre outras tantas formas.

Não existe religião boa ou má, partido bom ou mau, muito menos uma crença que seja melhor ou saiba mais do que a outra. A realidade é que ninguém sabe quais as razões e verdades existem em cada coração, e são elas que direcionam a pessoa (ou espírito, ou até mesmo centelha divina) para seguir determinado caminho. A orientação que você escolheu é ótima para você, pois está diretamente conectada com o seu DNA cósmico, ela é importante e especial para a sua evolução, e se em determinado momento você mudar de ideia e escolher outra, você também estará certo.

"Permita-se seguir e acreditar naquilo que faz o seu coração vibrar, no que te faz uma pessoa melhor"

Permita-se seguir e acreditar naquilo que faz o seu coração vibrar, no que te faz uma pessoa melhor. Respeite o direito e o caminho do próximo, cada verdade é única para aquele que acredita nela e faz parte do seu momento universal. A única coisa que você não pode abrir mão é do amor universal, é do respeito por cada ser cada centelha existente neste vasto Universo.

Todos desconhecemos as reais razões da criação, não levantemos a voz para falar que o nosso pensamento é o correto. Somos apenas uma ínfima parte do todo, mas mesmo assim estamos diretamente ligados à Fonte. Nesta nova Era não cabe mais ódio, conflitos e imposições maquiadas de amor ao próximo. É preciso respeitarmos e fazer o possível para que cada um tenha o direito de manifestar a sua Fé, seja ela qual for. O outro também faz parte de você, você também é responsável por ele, assim como pela Terra e todos os seres que nela habitam.

Cuide do seu espaço, faça valer a sua existência, propague o Amor Universal.

Compartilhar

Giovanna Sapienza

+ artigos

Terapeuta Holística, Jornalista e espiritualista, fundadora do projeto Saber Pleno. Amante de arte, comunicação e natureza, já estuda espiritualidade e novos caminhos para saúde e bem estar há 5 anos. Acredita muito nas relações pessoais, nos processos energéticos e nos bons sentimentos como caminho para uma vida feliz.

Frase de cabeceira: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.”