Compartilhar

por Regine Luise

Um dia da caça, outro do caçador

“Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca se acabe", é o que diz um ditado popular, além de ser uma frase comum na boca dos idosos. Frase sábia, aliás, porque não existe mesmo mal que sempre dure, mas também não tem bem que nunca se acabe.

Parece que o bem por aqui acabou por enquanto. O sol não quer mais brilhar, o céu não quer sorrir, nem o mar quer acalmar.

Todo mundo resolveu tirar as máscaras, falar mal, inventar ou se afastar de você. Tem quem invente motivo, tem quem se afaste sem motivo nenhum. Tanto faz, o fato é que vejo muitas pessoas se afastando.

É muito fácil desdenhar dos outros, esnobar, fazer intriga, apedrejar pelas costas... Difícil mesmo é ajudar quem precisa. Perceber que atrás de um sorriso triste têm olhos marejados de lágrimas. Perceber que atrás daquele silêncio tem um coração triste gritando para que alguém o ajude.

Dizem por aí também que coisa ruim nunca vem sozinha, talvez não venha mesmo. Parece que os pilares da sua vida estão desmoronando. A família e os amigos próximos tentam ajudar com conselhos, mas não é o suficiente.

Dizer que você tem saúde, família e um emprego, mas parece que não são motivos suficientes para te trazer de novo o sorriso e a paz de espírito. Você tenta subir um degrau, regride. Você tenta encontrar um caminho alternativo, suas pernas não respondem e não deixam você andar para frente. Algo te prende. Atrapalha. Inibe.

Você tenta ser forte, sai da cama, ir à luta. Tirando forças não sei de onde, fazendo as coisas sem ter um por quê. É como se as coisas não tivessem mais sentido, sabor ou cor.

Que o primeiro passo só depende de nós e que precisamos fazer isso, todo mundo sabe, todo mundo diz. Se isso fosse tão fácil como parece, a depressão não seria a doença do século. É impressionante o número de pessoas que sorriem por fora e choram por dentro.

E todo esse texto é para o que afinal? Para dizer que estou cansado.

Cansado de caminhar cada vez mais para longe do meu sonho profissional. Cansado de ver as pessoas criticando ao invés de sequer perguntar qual é o seu problema. Cansado de tanta decepção, frustração, indignação. Cansado de servir como saco de pancada que todo mundo bate, fere e depois vai embora. Cansado de engolir sapo, guardar desaforos e mágoas que ficariam mais leves se eu pudesse desabafar mandando, por exemplo, a pessoa tomar no... Puta merda, estou cansado demais de tudo isso e mais um pouco.

Pensam que por sermos homens não ficamos tristes, não temos fraquezas ou ainda, não temos vontade de fugir. Você já sentiu vontade de ficar pelo menos dois dias longe de tudo e todos?

Sentar na beira da praia, olhar para o mar e deixar as lágrimas dos olhos escorreram até o mar e deixar que a onda as levem.

Você já teve vontade de desligar o celular, excluir o facebook e simplesmente não responder ninguém? Já que mesmo rodeado de tantas pessoas a sensação de solidão é tão assustadoramente gritante, que diferença faria afinal, você sair por aí sozinho?

Deus que me perdoe por dizer isso, mas não estou conseguindo ser forte o suficiente para levantar. Parece que tem mais energia puxando para baixo do que ajudando a subir. Não tenho vergonha de expressar os meus sentimentos e dizer: sim, está tudo uma bosta! Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca se acabe, comecei o texto com essa frase e encerro com ela já que resume tudo. Bem lá no fundo do meu coração entre um pedaço quebrado e outro eu ainda tenho esperança de dias melhores.

É como o barco de ponta cabeça no filme Piratas do Caribe – No fim do mundo. Quem assistiu a esse filme, na certa, lembrará desse episódio. As coisas só começam a se resolver quando descobrem que o barco precisa virar do lado errado para depois ficar do lado certo.

Pois bem, do lado errado do barco eu já estou. Assumir que minha vida está uma bosta é o que estou fazendo nesse momento, agora só me falta inverter essa situação.

Os passos são lentos e tímidos, mas ainda é melhor do que ficar parado. Se a minha tristeza te anima, preciso dizer que esse gostinho você não terá mais muito em breve. Vai rindo, vai esnobando, vai maltratando. Quem ri por último sempre ri melhor e quer saber?

Toda energia que você vai mandando para me fazer mal, eu vou usar como um impulso para o bem. Toda inveja, todo olho gordo servirão de estímulos para eu sair dessa fase.

Vai rindo, vai desdenhando... Hoje você me apedreja as costas, amanhã eu te mato na unha. Pode apostar!

Compartilhar

Regine Luise

+ artigos

Jornalista, poeta e romântica nas horas vagas. Regine Luise ama, doa, sonha, dramatiza, sorri, chora e escreve. Não necessariamente nessa ordem.