Compartilhar

por Erickson Rosa

Autossabotagem: o “medo x medo”

Será que sentir medo é sempre ruim? Será que o medo é algo que nos sabota ou nos protege? Nem sempre sabemos diferenciar o medo que é protetivo do medo que nos impede de atingirmos nossos objetivos, de mudar para uma vida melhor e não ficarmos estagnados. Neste texto, quero falar com você sobre as diferenças desses medos, inicialmente falando sobre o medo que te protege para depois falar sobre o medo que lhe prejudica e, assim, lhe ajudar na identificação de qual medo está sabotando, hoje, sua felicidade.

Medo protetivo

Qual a definição de medo? O medo é uma emoção de proteção, que visa a preservação de quem o sente. Se você estivesse na rua e, de repente, visse um leão, seu medo se ativaria, pois o leão realmente é uma ameaça para sua vida. Um leão poderia lhe devorar e isso é um perigo real.

Nesse caso, seu medo é protetivo, pois ele está a serviço da proteção de sua vida. Se há uma verdadeira ameaça, seu organismo irá usar de todos os sinais para lhe informar que há a necessidade de se proteger. Essa caracteriza a principal diferença do medo protetivo e do medo paralisador. Esse medo paralisador é o que impede você de avançar, de sair da zona de conforto e de não conseguir mudar.

Medos em sua mente

Temos várias respostas automáticas para o medo. As respostas são luta, fuga ou freezing. A primeira e a segunda são bem conhecidas, pois falam sobre lutar contra a ameaça ou fugir desesperadamente. No exemplo do leão, sabemos que a fuga seria a melhor opção. A terceira resposta, o freezing, é quando a pessoa congela de medo, esperando que o ataque cesse ou que aquilo que lhe traz perigo desista.

Esse “congelamento” serve como uma resposta de proteção, de não-ação, contra um possível perigo. O problema é quando esse freezing ocorre como uma resposta a um medo imaginário, um medo que está apenas em nossa mente e que é de possibilidade futura.

As diferenças entre medo irracional e medo natural

Por exemplo, por ser que você queira fazer uma grande mudança em sua vida, mas tem medo de que as coisas não saiam como o esperado. Você começa a pensar nas possibilidades, tentando contemplar todas as possíveis situações. Ao pensar sobre elas, contudo, os pensamentos de coisas saindo errado florescem e você “congela” com medo que essas possibilidades ocorram.

O medo que está em sua mente acaba lhe paralisando, não dando espaço para que haja uma real mudança. Desse modo, pessoas ficam presas em suas rotinas, sem viver seus sonhos, por medo de que algo dê errado.

Cultivando possibilidades

Não há nada de mal em ser precavido e olhar para os dados objetivos sobre seus planos. Mas impedir-se de fazer algo por simples medo de dar errado não é olhar de maneira objetiva, mas sim ceder aos pensamentos temerosos que brotam na mente.

Para solucionar esse problema, podemos tomar como caminho o entendimento de quais causas e condições precisamos reunir para que nossos objetivos se realizem. Se o que você deseja parece distante hoje, pense no que você precisa reunir para que isso ocorra. Que pessoas precisa que te apoiem? Observe os caminhos que outras pessoas trilharam antes de você e veja como elas fizeram. Isso auxilia a mapear o caminho e a superar os pensamentos que congelam suas ações. Busque auxílio com terapeutas e pessoas que podem ampliar sua visão sobre essas dificuldades. Ao fazer isso, verá que há outras possibilidades que não as situações que tendem a te paralisar.

Compartilhar

Erickson Rosa

+ artigos

Terapeuta holístico, Mestre Reikiano e formado em psicoterapia holística. Fundador do Coach Matinal e autor do e-book Ansiedade Sem Remédios. Ministra cursos e eventos com temas como a motivação, psicossomática, fisiognomonia e meditação.