Compartilhar

por Bruna Toledo

Em que momento seu smartphone passou a ser a sua vida?

Você acorda e, provavelmente, a primeira coisa que faz é pegar o seu celular. Logo cedo, notificações já estão esperando para serem vistas. Primeiro o Whatsapp, depois o Facebook e assim vai. Você não levanta da cama enquanto não checar todas as redes sociais possíveis que tem no seu smartphone.

É indispensável saber o que aconteceu no (curto) espaço de tempo entre a última vez que você bloqueou a tela antes de dormir até o momento que abriu os olhos pela manhã. Isso se torna quase um tique durante o dia, uma compulsão: é preciso olhar o tempo inteiro o que está acontecendo. É até difícil saber quantas vezes por dia você olha o seu celular, já que são tantas. E a tendência não é diminuir essas olhadas, pelo contrário. Então, eu me pergunto: desde quando você passou a viver dentro do seu smartphone? Desde quando sua vida passou a acontecer dentro de uma tela?

É triste pensar desse jeito, mas é a realidade que vivemos. A vida acontece enquanto estamos preocupados em postar na internet os nossos espetáculos particulares. E não falo dos outros, falo por mim. Quantos momentos maravilhosos que acontecem fora da tela foram perdidos para uma fotografia ser tirada e, logo após, divulgada no Instagram? E não me venha com falso moralismo. A não ser que você prove que conseguiu aproveitar um lindo pôr-do-sol ao invés de trocá-lo por muitos “likes” e comentários? Ou então, que disse para alguém o que estava sentindo sem postar um clipe com algum trecho expressivo da música no Facebook ou alguma indireta no Twitter? Não há como negar que a vida, hoje, acontece nas redes sociais.

Mas não vamos crucificar as redes sociais. Elas foram criadas e não podemos culpá-las pela nossa total alienação. Devemos rever o uso que fazemos dela. Já pensou em dar bom dia para o seu vizinho ou para algum estranho na rua ao invés de postar no Facebook “bom dia faces”? Quando fazemos isso, estamos ignorando o mundo ao nosso redor. Ignoramos nossa família, ignoramos nossos amigos, ignoramos momentos únicos que passam por nós durante o dia enquanto estamos totalmente desconectados da vida real e conectados na realidade digital que criamos. A vida passa enquanto olhamos a tela do celular.

E por que fazemos isso? Em troca de aprovação, para estar sempre conectado. Fazemos do nosso objetivo de vida mostrar para nossos “amigos” que estamos felizes, que saímos para beber, que está muito sol na praia, que temos um barco, que o céu estava lindo. Narramos nossas vidas, sem estar vivendo de fato.

Então, permita-se viver a vida, a vida real. Desligue o seu celular, coloque pelo menos em Modo Avião, que seja por um dia, uma tarde apenas. Não precisa ser radical, deixa para depois aquela foto para postar. Curte o momento, ouça a música no show, sinta o quente do pôr-do-sol, aprecia a natureza e calmaria da praia. Deixa para postar a sua felicidade no Facebook, Twitter, Instagram quando você já estiver em casa, sem nada melhor para fazer. Compartilhe, registre menos, e viva mais. Viva a vida fora do smartphone!

Compartilhar

Bruna Toledo

+ artigos

Jornalista, fotógrafa, sem muitas papas na língua e um tanto quanto teimosa. Amante da praia, quer conhecer o litoral do Brasil inteiro antes de sair pelo mundo. Gosta do jeito tradicional de escrever: papel e caneta!