por Cássia Marina Moreira

Os adolescentes e seus bicos!

O que parece é que foram feitos um para o outro, sem tirar e nem pôr. Em algum momento da adolescência, todos acabam por acreditar que a vida lhes deve alguma coisa. Que o mundo está devendo algo para eles, ainda mais que estão produzindo “agora” a obra da vida de sua vida, que será de alguma forma um avanço para a humanidade!

Ninguém é capaz de ver isso, e tudo e todos estão em uma articulação maquiavélica, formando um grande complô para destruir seu poder criativo e assim como seu futuro é chamuscado, e teria tudo para ser simplesmente brilhante. Contudo, uma vez que todos teimam em puxar seu pequeno tapete, “jamais poderei sair disso”!

A veia dramática, sem dúvida, acompanha o biquinho! Faz parte, talvez... Porque muitos deles são gerados por mães que não perdem por nada deste mundo um capítulo sequer das novelas de Janete Clair ou Glória Perez e seus verdadeiros dramalhões, nos quais choravam e se emocionavam muito com uma das namoradinhas do Brasil, que interpretam estes dramas.

Então é assim, para o adolescente, nada foi tão importante assim na vida, mas agora que está sentindo certa inspiração, certa luz que até parece ser “divina”, vem alguém e poda, corta! Justo neste momento que até aquela velha inibição que impedia de existir tão livremente com suas artes, sumiu! “Agora que sinto ser capaz de expressá-las e viver com intensidade dentro das minhas artes como realmente merecem, quando fluem, acabo boicotada”!

Em todo caso, não importa muito qual o caso, tudo se torna um caso para o adolescente que resolve se revoltar e ficar de biquinho! E só ficar repetindo, que o mundo não é justo e a vida é má! E que não se pode confiar em nada e em ninguém!

Como falta vivência é, por vezes, falta de literatura para a grande maioria destes jovenzinhos, não se tem muito como argumentar com eles, o melhor é sair da frente para não tropeçarmos no bico e tocarmos a nossa vida. Afinal, quando resolvem que devem continuar sendo mimados por todos mesmo que não sejam os seus “papais e mamães”, melhor deixar para lá.

Enfim, cada qual tem sua própria época para amadurecer, às vezes irão passar a vida querendo mimos e isto sem dúvida lhes custará caro, afinal, cada vez que o mundo lhes disser um não, agirão como bebês chorões e bicudos, olhando sempre para o que os outros não lhes dão, e não para o que precisam e já podem fazer por si mesmos!

Com toda pompa e glória dos 20 e poucos anos, são, ou pensam que são, os donos do mundo e da verdade, até que não possam fazer algo. Então, o mundo cai, e claro... A culpa é do outro!

Crescer é bom, mas dá trabalho e leva tempo! É um trabalho artesanal, é aí que aprendemos a pensar e a sentir com “realidade” as coisas, todas as coisas. A entender que o mundo não está aí só para nos servir; que a vida é uma estrada de mão dupla. Sempre teremos de arcar com o Ônus para chegarmos ao Bônus! 

Infelizmente, nesta relação não existe lugar para bicos... É aqui que crescer se torna imprescindível. 

Cássia Marina Moreira

+ artigos

Psicóloga com especialização em Terapias Florais. Autora dos livros “Águas que transformam - conheça as essências vibracionais da natureza” e “Essências Vibracionais D'Água”.

site essenciasdagua.com

facebook Essências Vibracionais D'Água

email [email protected]

skype Cassia_Marina