Compartilhar

por Andrea Pavlovitsch

Sono e paz

Insônia é um problema, não é? Insônia é quando a gente tem pensamentos demais e tempo de menos para dormir. Começa a dar um desespero. Todos os problemas vêm à nossa cabeça de uma só vez, completamente desordenados. Um pequeno barulho na rua começa a incomodar demais. Aquele guardinha com o apito vira alvo de todo o nosso ódio. Os caminhões da avenida parecem naves espaciais e só temos vontade de poder ter vontade de dormir.

Pois é, são 7:15 da manhã e estou acordada desde as 4 e meia. Insone. Completamente insone. Já preparei um super café da manhã, com direito a chá inglês, pão caseiro quentinho no forno e queijo branco. E cá estou eu tentando fazer algo com o tempo que me sobrou.

Estava aqui pensando, claro, no que eu queria realmente pedir para o Papai Noel. Ou, por eu ser mais matriarcal, uma Mamãe Noel, que tal? E insone, cheia de pensamentos absurdos, eu pediria um exclusivo e revolucionário parador de pensamentos.

Já imaginou, que maravilha. Você aperta um botão e voilá, todos os seus pensamentos ficam quietinhos, te deixando curtir o momento. Curtir o pôr do sol sem pensar no trânsito que está lá fora. Curtir o banho de mar sem pensar na conta do hotel. Curtir a companhia do namorado sem pensar que ele pode não estar com você amanhã.

Paz. Isso seria a verdadeira paz. Imaginou se os grandes governantes ganhassem um? Que gloria. Eles simplesmente sentiriam o momento presente. Eles sentiriam poxa, estou tão feliz aqui, nesta casa branca e confortável, eu não vou me meter numa guerra não, vou é curtir essa piscina. Ou os ladrões. Não sairiam de casa e da companhia da mulher e dos filhos para ter coisas que eles acham que precisam. Nós? Só trabalharíamos no que gostássemos de verdade, afinal de contas não ficaríamos pensando que queremos isso ou aquilo (o famoso mal do quer da humanidade). Porque, na verdade, tudo são os pensamentos errados.

Outro dia eu estava dentro do carro, dirigindo na Marginal Tietê, aqui em São Paulo. Em coisa de instantes, eu fiz uma cena completamente maluca na minha cabeça. Imaginei (pensei, sei lá) no meu carro caindo no rio. Fiquei pensando em como eu tiraria o cinto de segurança para sair do carro e se sobreviveria a um rio quase sólido de tanta sujeira. Em instantes eu comecei a ficar angustiada, com falta de ar e tudo isso por conta de um pensamento absurdo. Tive que chacoalhar a cabeça para os lados para tentar espantar este demônio que se apossou dos meus pensamentos.

Os pensamentos são muito fortes. E se não o educarmos acabaremos escravos deles. Então, eu resolvi fazer uma nova experiência, uma coisa que eu costumava fazer muito na infância. Sonhar acordada! Com perdemos isso ao longo dos tempos. Focamos nos pensamentos ruins e não nos bons pensamentos, mesmo que nos pareçam fantasias distantes. Imaginei-me morando numa casa grande, tranqüila e sem barulhos do lado de fora. Imaginei um pé de amoras e outro de jabuticabas no jardim. Uma pequena piscina, ou até mesmo só uma fonte, para sentir a água por perto. Uma cama grande, fofa. E paz, muita paz.

Muita paz em 2009 é tudo o que eu desejo para mim e para todo mundo. Porque quando temos paz, podemos ir atrás de tudo na vida. Podemos nos curar de doenças, podemos fazer o dinheiro que precisamos, podemos ser felizes de verdade. E sonhos, muitos sonhos! Sonhar acordado não custa nada e dá uma paz.

Sonhe com o que você quiser porque o único perigo que você corre é o de ver seu sonho realizado. O resto é com a gente!

Compartilhar

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.