Compartilhar

por Erickson Rosa

Treine sua mente para não gerar sofrimento

De modo geral, nós nos movimentamos no mundo de duas formas diferentes. Essas maneiras de agir acabam, de um jeito ou e outro, trazendo-nos dificuldades e problemas com que precisamos lidar. Para termos uma ação correta no mundo, precisamos aprender a treinar a nossa mente. Quando falo em ação correta, refiro-me a uma ação que gere felicidade e prosperidade, não apenas para você, mas também para todas pessoas que estão com você. Afinal, não moramos em uma ilha, estamos sempre em conexão com os outros e com o ambiente. Nossos atos e falas têm efeito no meio e nas pessoas com quem convivemos. Por isso, devemos estar atentos para essas ações e discursos.

Neste texto, irei abordar como dois movimentos no mundo geram sofrimento para nós e para os outros. Ao final, falarei sobre uma terceira forma de agir que gera mais alegria e felicidade nas relações e em nossa forma de viver.

Impulso

Homem branco de olhos fechados sentado num campo.

Quase todos nós agimos por impulso. Olhamos as coisas que queremos e nos movemos. Achamos que isso é a forma natural de agir, como se as coisas acontecessem por si só. Na verdade, são nossas marcas mentais e estruturas psíquicas que nos fazem agir de maneira inconsciente. Essas marcas mentais se manifestam por meio de nossas emoções e pensamentos, que nos conduzem a determinadas ações. Quanto maior a intensidade dessas emoções, mais somos carregados por elas.

Marcas mentais são as primeiras estruturas de nossa mente, que nos impulsionam para situações que buscamos satisfazer ou corrigir. Um exemplo simples seria a pessoa que adquire coisas para sentir a satisfação da compra. A pessoa não pensa por que adquire e compra muitas coisas, simplesmente age para satisfazer alguma carência que tenha.

Outra forma de ilustrar é se uma pessoa, quando criança, não teve muita atenção de seus cuidadores, pode ser que se torne um adulto que clama por atenção a todo momento. Assim, sempre deseja ser olhada, admirada e observada. Esse impulso, se não analisado, carrega-noa para situações difíceis.

Descubra como movimentos inconscientes podem gerar sofrimento

Igualmente, nossa mente se movimenta e carrega nossa energia a todo momento, o que pode facilmente despertar nossos impulsos. Podemos ver isso se nos sentarmos durante cinco minutos em silêncio. Experimente, durante esses cinco minutos, focar sua mente apenas em sua respiração. Verá que sua mente tende a vaguear por pensamentos de seu dia, e isso pode mexer com você. Ficamos lembrando de tarefas que precisamos fazer, preocupações e medos, gerando ansiedade e estresse. Isso ocorre porque somos acostumados a responder de maneira automática a esses estímulos. Não analisamos nossas emoções e pensamentos e nem o porquê de eles serem gerados.

Por essa razão que muitas pessoas se arrependem de suas ações e tomam decisões imprudentes. Porque a mente não está treinada a não responder a esses impulsos mentais e emocionais. Precisamos aprender a lidar com esses impulsos treinando nossa mente, pois, afinal, a vida é muita curta para ser vivida com arrependimentos.

Ação estratégica

Mulher negra sentada na janela lendo livro.

Porém, se treinarmos, podemos desenvolver uma mente estratégica. Esse tipo de mente nos gera muitos benefícios, mas pode nos trazer problemas se cairmos na armadilha do autocentramento. A pessoa que desenvolve essa forma de agir e pensar consegue lidar com seus impulsos, mas sua motivação é parecida com a de um atleta que pensa em ganhar a todo momento.

O problema é que essa mente não se importa com nada a não se ganhar a todo momento. Observa a vida como um jogo, e isso faz com que ela planeje cada passo. Além disso, quando algo não funciona exatamente como a pessoa deseja, o sofrimento a acomete. Sente que planejou errado ou se sente frustrada por não atingir seu objetivo. E se, no final, ela atinge seu objetivo, sofre com a ideia de perdê-lo e precisa fazer muitos esforços para manter esse lugar.

Entenda qual é o verdadeiro caminho para desenvolver a felicidade

A ansiedade também acaba sendo um sintoma recorrente para uma pessoa de mente estratégica, pois não entende que nem tudo na vida pode ser controlado. A motivação aqui é do vitorioso, aquele que deseja ganhar a qualquer custo. Mas o custo aqui é a própria felicidade da pessoa, pois, ao pensar em sua vitória, ela se esquece de que as pessoas são mais importantes do que qualquer conquista que ela venha a ter.

Ação correta

Silhueta de mulher no pôr-do-sol.

Então qual é a maneira correta de agir e que não produz sofrimento em nossa vida?

Ter uma ação correta é quando nossos atos geram benefícios para as pessoas que estão a nossa volta. Isso requer que tenhamos uma mente treinada para lidar com situações que tiram nosso bom senso e nossa capacidade de manter a tranquilidade e paciência.

Por isso, precisamos treinar nossa mente para não ser reativa nem uma mente motivada pela necessidade de vencer. A motivação aqui é gerar benefícios para a maior quantidade de pessoas. Isso cria em nós uma alegria, ao nos conectarmos com os outros. Não somos seres isolados no mundo, estamos em conexão com as pessoas e com o ambiente a nossa volta. Essa conexão nos promove alegria e felicidade. Isso porque as pessoas são mais importantes que as coisas. Precisamos voltar a essa verdade e saber que, ao gerarmos benefícios aos outros, isso estabelece uma alegria em nosso interior.

Obviamente, devemos lidar com nossos impulsos. E, para isso, precisamos treinar a nossa mente. Para tal, podemos praticar a meditação e a respiração de maneira consciente. Trazer nossa mente para o momento presente nos ajuda a lidar com nossos impulsos.

Dicas para cultivar o seu equilíbrio emocional

Ao lidarmos com nosso impulso, precisamos ter em mente que nossa felicidade está no contato com os outros e na alegria que levamos a eles. A motivação que gera nossas ações é fundamental para gerar nosso sofrimento ou alegria. Precisamos aprender a encontrar essa felicidade em nossas ações e na conexão com as pessoas.

Compartilhar

Erickson Rosa

+ artigos

Psicólogo clínico laureado pela PUCRS. Atende crianças, jovens e adultos. Palestrante sobre a temática do inconsciente.