por Marcos de Paula

Pessoas coisificadas

É claro que vários produtos e serviços também nos ajudam no dia a dia, em nossos lares, nos ambientes profissionais, que já nem conseguimos nos imaginar, por exemplo, sem o computador, as diversas opções de comunicação de dados, voz e imagem que nos imputam valores e conceitos nem sempre digeríveis.

Essa dinâmica nos envolve de tal maneira que muitas vezes não percebemos que estamos constantemente sendo empurrados para as compras, para o consumo desenfreado, numa condição de nos inserirmos na turma, como se nossa relação com a família e grupos sociais se baseasse pelo que temos em nossas garagens, em nossos guarda-roupas e uma infinidade de outras coisas.

Por isso não é raro nos depararmos com pessoas que possuem coisas que nem usam, que deixam de lado, ou então se apegam demais com as mesmas, chegando mesmo a se relacionar com elas como uma muleta, um apoio que lhes dê a falsa sensação do poder de se sentir maiores e satisfeitos, e assim imaginar compensar as angústias, as perdas emocionais, as frustrações e as decepções nem sempre bem trabalhadas e resolvidas.

Constatamos então que num grau maior ou menor de consciência corremos o sério risco de nos tornarmos pessoas coisificadas, que se apresentam e se mostram pelo que possuem externamente e de maneira cada vez mais expositiva, não percebendo (ou querendo não perceber) que a felicidade não está nas coisas, mas sim na forma como as vivenciamos, no modo como estabelecemos as nossas relações de (in) dependência com as mesmas.

E vale lembrar como disse bem o Frejat na música Amor pra Recomeçar:

... diga a ele pelo menos uma vez, quem é mesmo o dono de quem.

Marcos de Paula

+ artigos

Marcos D. de Paula é psicanalista, atendendo adolescentes e adultos na zona sul de São Paulo. Participa também do grupo Big Riso, voluntários que se vestem de palhaços e visitam hospitais do Grande ABC e de São Paulo, levando alegria e descontração, dentro de uma perspectiva de humanização hospitalar.