Compartilhar

por Andrea Pavlovitsch

Não existem caminhos errados, só existem caminhos

Ah, as grandes decisões da nossa vida... Que complicado! Aquela luta insana entre o coração e o resto do seu corpo, principalmente a sua cabeça. Aquela lista interminável de prós e contras, aquela lista interminável de conversas com as amigas no WhatsApp e ainda aquela sensação de que possivelmente estamos tomando a decisão errada...

Sim, temos muita dificuldade em aceitar os nossos verdadeiros desejos. É como se tivesse uma grande voz na nossa cabeça só esperando a gente fazer besteira. E, pasmem, o que vai acontecer depois nem sempre é o que realmente nos preocupa.

Opções de portas para escolha

A nossa grande preocupação não é com o que as pessoas vão falar ou em como vai ficar a nossa vida. A nossa grande preocupação é o que vamos fazer conosco mesmo se cometermos um erro. Geralmente vamos acabar com a gente da pior maneira possível. Só você tem a capacidade de atacar você mesma nos seus pontos fracos. Ninguém no mundo tem a capacidade de te machucar e de te fazer sofrer como você mesma.

Imagine, então, você cometendo um grande erro que muda toda a sua vida numa direção que depois você descobre não ser a “correta”. Imagine o que você diria para si mesma nesta situação. Imagine como você geraria um sofrimento excruciante dentro de você mesma por ter comentário cometido um erro.

O que você tem feito com as suas escolhas?

A questão não é o caminho a se tomar. Todas as escolhas são renúncias a outras escolhas, portanto não existe um caminho certo ou um errado. O que existe são caminhos, que muitas vezes andam paralelamente. Não, eles nunca se encontram e possivelmente, se você refizer a escolha, vai escolher a mesma coisa. Para quem acredita em destino não existe escolha; para quem acredita em escolhas também não, já que aquela sua consciência sempre te levaria ao mesmo lugar.

Senhora com expressão séria e flores rosa ao fundo

Uma vez ouvi minha mãe dizer quando ela tinha uns 45 anos: gostaria de ter o corpo de 20 anos e a cabeça que eu tenho hoje. Nunca me esqueci dessa fala porque ela gostaria de ter a consciência do momento para fazer outras escolhas na juventude. Mas com certeza a garota de 20 anos faria exatamente as mesmas escolhas, mãe.

O que precisamos trabalhar é a nossa consciência e a nossa evolução. Amadurecer as ideias mesmo que depois precisemos remoldar aquilo que escolhemos. Assim não existe caminho errado, só existem caminhos.


Veja também: Viva sem arrependimentos

Compartilhar

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Psicoterapeuta, taróloga e numeróloga, comecei minhas explorações sobre espiritualidade e autoconhecimento aos 11 anos. Estudei psicologia, publicidade, artes, coaching e várias outras áreas que passam pelo desenvolvimento humano, usando várias técnicas para ajudar as mulheres a se amarem e terem uma vida de deusa. Mãe da Nina de quatro patas, gosto de viajar, ler e sempre continuar estudando.

site andreapavlo.com

twitter @andreapavlo

facebook /AndreaPavlo

email [email protected]

instagram andreapavlo

celular (11) 9.8904-3635

youtube AndreaPavlovitsch