por Andrea Pavlovitsch

Competição entre as mulheres

Acabo de ver o babado todo da briga entre Luciana Gimenez e todas as gordas do mundo. Ou seriam as mulheres do mundo, já que a maioria se sente gorda mesmo quando não é? Enfim, não interessa muito, o que interessa é o que ficou disso tudo.

Luciana foi “provocada” depois de publicar uma foto sua seminua no Instagram. Algumas pessoas disseram que ela não tinha idade para aquilo ou que isso estaria envergonhando os filhos dela. Provocações idiotas, já que o Instagram é dela, o corpo é dela e ela pode fazer o que quiser com ele. Algumas pessoas também falaram que ela estaria muito magra (sinceramente, eu nem vi a foto), o que também não justifica nada. De novo, o corpo é dela e ela sabe o que é melhor para ele.

O problema é que, depois de muitos ataques, ela resolveu responder em um Stories (aqueles vídeos curtos do Instagram) dizendo que isso seria uma ofensa feita por mulheres “gordas” que estariam com inveja do corpo dela. Preguiça, né? Mas vamos lá...

O problema nem é o que ela falou. Essa coisa de “gorda”, “magra”, etc é uma bobagem sem tamanho, enfim, o problema é a falta de empatia com as outras mulheres.

A mulher não pode envelhecer e nem ter filhos, sem ser bombardeada por um monte de regras que ela não inventou. Luciana Gimenez é uma mulher linda, mantém aquele corpo a base de muita dieta e exercícios, e gosta disso. Ela curte ser magra e isso é um direito dela. Assim como eu curto ser gorda e isso é um direito meu.

Mas quando ela revida por ataque, atacando no caso a forma física de outras mulheres, ela está se equiparando a quem a atacou e não necessariamente se defendendo. Se eu senti alguma pena dela, naquele momento passou porque me passa a ideia de “farinha do mesmo saco”.

As regras contra as mulheres são muitas. E é nisso que precisamos de união para que isso não aconteça mais. E não reiterar o problema como ela acabou fazendo, mesmo que sem querer. É preciso entender que só a união faz a força e a defesa de uma é a defesa de todas, e nada desse papo de “sambar na cara das inimigas” como ainda acontece muito. Isso ainda é resquício do machismo e só vai causar mais tumulto e falta de entendimento.

Então, a palavra é sororidade! Você se defende e defende as outras mulheres pelo simples fato de sermos mulheres e estarmos, todas, no mesmo barco. Não adianta xingar a amante do marido, a culpa é do seu marido se você for traída. Não adianta achar que tudo é inveja, não é! Você não é tão importante nem se for a Luciana Gimenez, então, menos. Precisamos de união para gerar força e acabar com o que anda acontecendo agora. Força e união é tudo que precisamos. 

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.