por Paulo Bregantin

Reflexão Dominical

As pessoas livres são leves.

Os que são livres sabem que ficarão doentes e terão situações difíceis na vida. Por isso, buscam o bom ânimo e o bom humor.

Se cobro dos outros a minha liberdade é porque ainda não sou livre.

Os que são livres não se preocupam com o excesso e com os que estão presos, pois eles sabem que a liberdade é algo individualizado.

Os que são livres buscam com tranquilidade o autoconhecimento para achar os seus limites e viver de forma mais equilibrada. 

Os que são livres esperam pouco dos outros e muito de si mesmos.

Os que são livres têm como característica o bom humor.

Os que são livres respiram com mais tranquilidade os ares terríveis que todos são acometidos. 

Os que são livres diminuem a ansiedade do amanhã, pois estão comprometidos com o que "temos para hoje". 

Os que são livres respeitam os outros, mesmo que não estejam livres, até porque ninguém sabe de verdade o que é ser livre 100%. 

Os que são livres, muitas vezes, se perdem, pois não têm medo de voltar e ou seguir novos rumos. 

Os que são livres estão preocupados em perguntar para aprender e não ficam afirmando isso ou aquilo. 

Os que são livres se libertaram de si mesmos.

Às vezes, sou livre, mas me prendo nas minhas neuroses... Liberdade é algo que é sempre bom lembrar. 

Fazer e falar são coisas "parecidas", porém são diferentes na essência, pois um executa e outro é "político". Bora craniar.

Quando quero executar algo, não preciso saber tudo. Quando não quero fazer algo, mesmo sabendo tudo, não faço.

Saber o que tem que ser feito é uma coisa. Fazer o que tem que ser feito é outra coisa e bem diferente da primeira frase.

Produzir não é ter o que fazer, é fazer o que tem que ser feito. 

Paulo Bregantin

+ artigos

Mais de 25 anos dedicado ao cuidado de pessoas, sendo Psicanalista Clínico e escritor com várias obras publicadas. Atua nas redes sociais como dono, gerenciando a página Paulo Bregantin e o Grupo Psicanálise Integrativa.

facebook /Paulo-Bregantin