Compartilhar

por Selma Godoy

A teia que a vida tece

Continuando com as Leis Cósmicas, vamos falar da 6ª lei, ou Lei do Processo. As leis biológicas, genéticas e físicas da natureza são derivações desta Lei Cósmica. 

Há uma rigorosa interdependência de todos os seres viventes. Para sobreviver e se reproduzir toda a extensa biodiversidade existente no ar, na terra ou na água dependem entre si e do meio em que vivem. Uns se alimentando dos outros, inclusive através da matéria viva dos minerais. É a mais evidente demonstração que a preservação das espécies não se faz sem a conhecida e contrastante dose de agressividade inerente aos seres vivos.

A ecologia nasceu da necessidade premente de organização e equilíbrio no relacionamento do homem com todos os seres viventes e com o meio ambiente. Hoje, tem se falado em “sustentabilidade ambiental” que é a manutenção das condições de harmonia e sobrevivência do planeta.

Somos chamados a nos conscientizar da urgência de respeito e cuidado com os recursos naturais, através da crise de abastecimento de água e energia pelas quais passamos. É vergonhoso que a espécie humana tenha sido negligente, ignorante e sórdida com nossas florestas e nascentes, rios e mares!

Além de todos estes males, há o panorama crítico nas áreas social- político- econômico- financeira, e acima de tudo, não é possível negar, todas as instituições, como família, escola, igreja e etc. estão demonstrando sua obsolescência e fracasso em tornar a vida das pessoas e da coletividade, nas relações com todos os seres viventes e com o meio em que vivem, mais felizes.



 

No entanto, certamente, isto tem uma finalidade mais ampla! Considerando as Leis Cósmicas, podemos perceber que tudo está sendo orquestrado para que a consciência humana se expanda e a evolução se processe.    

O objetivo que há no arcabouço da integração das Leis Cósmicas é a de fazer que deixemos de buscar a felicidade e o sucesso, através da hipocrisia, do paternalismo, e da vida de aparência para sermos mais verdadeiros conosco mesmos, em primeiro lugar. Deixando de lado as convenções e os interesses imediatistas, sabendo que tudo tem um preço na economia universal.

O criador ou o mecanismo inteligente que gerou a vida sabe do potencial de suas obras e espera o tempo certo para a colheita. E assim, como a planta precisa da poda, a vida se incumbe de cortar “nossos galhos torcidos” para se reorganizarem.

A despeito do que se aprendeu, a humildade é o que é real e verdadeiro. Não se apequena nem se engrandece, porque não prova nada a ninguém.

Nossa parte é buscar aquilo que faz sentido para nossa alma, a despeito de todas as conveniências sociais. E que, deixemos de manter a contemporização a um sistema corrupto e corrompido, para obter dividendos mesquinhos.

Que cada um tome consciência de suas convicções respeitando a individualidade, e a opção de cada um, sabendo que na vida só se promove quem trabalha e tem mérito.  

Compartilhar

Selma Godoy

+ artigos

Terapeuta de Aconselhamento. 20 anos pesquisando Espiritualidade, Comportamento e Psicologia.