Compartilhar

por Paulo Bregantin

O enigma do número três

O três nos leva a muitas reflexões, isso acontece quando percebemos que várias fases de nossas vidas estão dentro do três. Várias situações que vamos descrever aqui nos levarão a pensar, avaliar e refletir. Minha expectativa é que essas percepções sejam mais estudadas, ampliadas e discutidas. 

Vamos observar então:

Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, chamamos isso o mistério da trindade, ou seja, como um Deus pode ser ao mesmo tempo – pai, filho e espí
rito santo? Não sabemos como funciona, porém, o percebemos em nossas vidas. Jesus ressuscita ao terceiro dia.

O ser humano, pelos estudiosos, é dividido em Corpo, Alma e Espírito. Temos então um corpo físico que é nossa anatomia e fisiologia, temos uma alma onde se encontram as nossas emoções e temos nosso espírito que nos liga a algo divino. 

Na vida as três fases existentes são: Nascemos, vivemos e morremos. Somos seres finitos e tudo que sabemos acontecem em nós dentro dessas três fases. Ou se preferir, podemos também dividir em três as fases do ser humano, ou seja, criança, jovens e adultos. Mesmo com as variantes – adolescentes, jovem ou velho, também temos as fases divididas em três. 

Nos relacionamentos temos as três fases: Encanto, desencanto e reencanto. Quando conhecemos alguém ficamos encantados, não muito difícil vivemos processos de desencantamento e, se insistimos, chegamos ao reencantamento. Não sei como exatamente isso acontece, porém, se observarmos é assim que funciona.

Na vida profissional temos as três fases: Construir, desconstruir e reconstruir. Ou seja, ganhamos, perdemos e podemos ganhar novamente. Essas situações vivenciais são simples de observar em nossas vidas e nas vidas de tantas outras pessoas.

Para vivermos bem precisamos na realidade de três coisas: Comer, beber e dormir, toda nossa vida se resume nessas três buscas, sim, pois queremos comer e cada vez melhor e mais, fazemos isso com a bebida e o dormir também, e desejamos isso aos que queremos bem.

Freud usa o três para descrever o aparelho psíquico: Consciente, pré-consciente e inconsciente, diz também que o inconsciente é regido pelo ID, Ego e superego e as fases da criança são: oral, anal e fálica. E, o estudo disso que descrevi acima estão contidas todas as experiências do ser humano, pois tendo essa base vários estudiosos descreveram seus planos projetivos sobre a consistência de todos nós.

Na política temos o uso do três através dos três poderes: jurídico, executivo, legislativo. São eles que regem nosso governo e governantes e, por consequência somos regidos por eles também. 

Nos desenhos infantis temos os Três Porquinhos, os três sobrinhos do Pato Donald, os Três Mosqueteiros, etc... É muito interessante isso.

Na eletricidade temos o trifásico.

No universo tudo que tem existência deve ter três características: Massa, Volume e Divisibilidade. 

Para existir na natureza são necessárias três dimensões: comprimento, largura e altura.

O enigma do três passa também por muitas outras ações e reações que são interessantes, pois o ver, ouvir e falar são os três instintos mais interessantes que temos na vida, claro, o sentir está incluído, porém, quando observamos de verdade para nós, percebemos que ouvir, falar e enxergar são os mais atrativos. Não sei ao certo como explicar isso, porém, como tenho descrito aqui, minhas avaliações são de observar a mim mesmo e as outras pessoas com quem convivo e, ao fazer isso, posso afirmar que ouvir, falar e enxergar são acima das outras habilidades humanas que possuímos. 

Não sou místico, mas, às vezes é muito interessante avaliar as situações e coincidências que nos rodeiam, pois quem sabe são elas que nos regem. Estudar, avaliar e refletir nelas pode nos fazer mais sábios.

Compartilhar

Paulo Bregantin

+ artigos

Mais de 25 anos dedicado ao cuidado de pessoas, sendo Psicanalista Clínico e escritor com várias obras publicadas. Atua nas redes sociais como dono, gerenciando a página Paulo Bregantin e o Grupo Psicanálise Integrativa.

facebook /Paulo-Bregantin