Compartilhar

por Helyete Santos

Mulheres culpadas

Não sei bem como tudo começou, mas sei e todos acreditam que EVA foi a culpada. Não sei se a maçã ou a serpente deveriam levar um pouco de culpa na “obra divina”, porque também foram criadas por Ele, mas não dá mais para mudar o que já está escrito, remendado e editado.

Somos herdeiras dela, a culpa. Continuamos pagando nossos pecados, mesmo sendo as mais gentis e servis do planeta.

Até ouvimos dizer: “ele não presta, nunca prestou”. Mas logo uma voz doentia se levanta e grita ao vento: “Mas ela poderia ter mudado a situação”.

Somos poderosas, não somos? E mais uma carga pesada se aplica sobre nós, inocentes, mas sempre pecadoras.

Com isso, muito mais culpas e estragos nos são deferidos como balas sutis de canhões esquecidos pelos jardins.

A educação dos filhos, a arrumação das malas, a casa mal decorada, o emprego com salário desajustado, o tesão de quem se diz mal amado e vai por aí. É só acrescentar o que continua pendurado em você. O mérito de se desculpar e obter perdão pleno de si mesma fica para a próxima encarnação. Por enquanto, alguém sempre vai te lembrar que foi você.

Comentários da autora

A culpa é sempre um ato repreensível. Só basta saber se é, ou não verdadeira. Afinal, culpar é o que mais se ouve por aí. Culpa o governo, as leis, as estradas, os sistemas, os sindicatos, os semáforos, a chuva, a seca. Então, por que não culpar as mulheres?

Mas, nisso tudo, é preciso determinar em nós se, de fato, cometemos um crime. Apontar, muitos apontam e em muitas direções. Basta acertar o que de fato é.

Portanto, é preciso sentir-se forte e inatingível dentro do equilíbrio, da honradez e do bem para arregaçar as mangas e lutar, lutar, e lutar, sem comprometer atitudes futuras e erros verdadeiros como desculpas.

Compartilhar

Helyete Santos

+ artigos

Sou paulistana. Atualmente, moro na cidade de Santos. Atuei como professora de Redação e tenho vários livros publicados sobre técnicas redacionais, como Pais e Filhos Entre Erros e Acertos Editora Edicon. Escrever traz à tona o modo sensível de se viver.