Compartilhar

por Marcos de Paula

A família envolvida

Recentemente participei, juntamente com a prof. Univ. Giuseppina Adele, do programa de rádio da Lilian Loy, onde comentamos sobre a importância do envolvimento da família também na vida escolar de seus filhos, pois o ato de educar não acontece somente na Escola, que pode ser percebida dentro de um processo ampliado de formação e informação capaz de potencializar não unicamente os conteúdos e entendimentos acadêmicos, mas principalmente a oportunidade de crescimento pessoal e profissional de cada aluno.

Dentro dessa perspectiva, sugiro refletirmos ainda sobre a importância do real envolvimento com essas questões que implicam na educação dos filhos, que tradicionalmente foram e são atribuídas à mãe, somando-se para essa mesma pessoa uma grande lista de tenho que, e ainda desempenhar os seus papeis sociais, pessoais e profissionais dentro e fora de casa, pois a sociedade e os familiares a cobram sistematicamente, de forma velada ou explicita, dessas obrigações.

Quando acontece essa somatória de esforços entre pai e mãe, que envolve inclusive os cuidados com os afazeres domésticos e as orientações para os filhos, surge uma realidade bem mais positiva para a família e seu desenvolvimento harmonioso e consistente, pois os dois adotam uma postura de apoio mútuo, de entendimento e de compreensão de que isso ou aquilo não se sustenta mais pela visão simplista e limitada de que isso é coisa de mulher..., ou até mesmo, o que é pior - esse pai e/ou filho posiciona-se como eu ajudo em casa - demonstrando uma grande miopia e distanciamento da realidade, pois esse sentido de ajudar é coisa de quem não se sente parte integrante e permanente, dentro de um contexto de efetiva integração e (des)envolvimento familiar.

Compartilhar

Marcos de Paula

+ artigos

Marcos D. de Paula é psicanalista, atendendo adolescentes e adultos na zona sul de São Paulo. Participa também do grupo Big Riso, voluntários que se vestem de palhaços e visitam hospitais do Grande ABC e de São Paulo, levando alegria e descontração, dentro de uma perspectiva de humanização hospitalar.