Compartilhar

por Andrea Pavlovitsch

O maior cansaço é sempre emocional

Sou destas pessoas que se pesquisa. Muito. Sou como uma arqueóloga psíquica de mim mesma, sempre descobrindo mais e mais sobre a minha pessoa. Na maioria do tempo, é um processo gostoso, mas em alguns momentos é bem complicado. 

Nos últimos seis meses, por exemplo, entrei numa espiral complicada de emoções. Descobri problemas antigos, resolvi explorá-los com a cara, a coragem e a ajuda da acupuntura, o que resultou em processos lindos e absolutamente profundos de mudança de vida. Mas, agora, depois de sair do meio da tempestade, estou exausta. 

Sim, vou voltar a tomar minha vitamina D e mais um monte de suplementos, mas o cansaço é outro. É um cansaço da alma. Geralmente você ou dorme demais ou de menos, mas nunca se sente descansada. É diferente de quando estamos bem, porque é um cansaço que não passa. 

Isso é o cansaço emocional. Pessoas com depressão ou alguma síndrome psicológica costumam relatar bastante esse sintoma. Uma fadiga que não passa com descanso. Você lava uma louça e quer meia hora refastelada no sofá, é horrível. Mas esse cansaço pode vir, como no meu caso, de longos períodos de estresse. Separações, mudanças repentinas e luto também podem causar isso. É o cansaço emocional. 

Situações que se repetem muito, como os abusos frequentes de um relacionamento ou muitas brigas, também geram um cansaço emocional profundo. Toda situação, enquanto não resolvida e devidamente descansada, não vai passar. 

O que fazer, então? A primeira coisa é identificar a causa. É preciso entender se é um cansaço físico ou mental, como os preparativos de um casamento ou uma reforma. Se algo assim andou acontecendo, pode ser só um reflexo desse longo período. Também é preciso descartar causas físicas, fazer seus exames direitinho e consultar o seu médico. 

Quando você percebe que não é nada disso, analise a sua vida. Alguma situação está se repetindo demais? Algo de muito ruim e fora do seu controle aconteceu? Você andou passando o famoso “nervoso”, algum tipo de estresse de cunho emocional? Se sim, então precisa focar em resolver o problema, se é que ele não está resolvido, mesmo à sua revelia. 

Depois é cuidar de você. Exercícios físicos leves, descanso regular, boas noites de sono. Se não conseguir sozinho, pode recorrer aos fitoterápicos ou aos florais, durante esse período. Existem alguns que são tônicos emocionais excelentes. Diminua a lista de tarefas e deixe somente aquelas mais urgentes, essenciais para o bom funcionamento da sua vida. Seja menos exigente consigo. À medida que você for dando esses passos, esse sentimento de cansaço vai passar. 

Se puder fazer uma pequena viagem de descanso, também é muito útil. Eu estou indo passar uns dias em um spa, para descansar e desintoxicar, sem excesso de dieta e exercícios, é claro. Passar um tempo com o seu pet costuma desestressar. Sair com as amigas para lugares calmos, como um bom restaurante, também é uma ótima ideia. Deixe as crianças com a vovó e dedique um dia todo para si mesma: vá ao cabeleireiro, caminhe no parque, tome um sorvete. Tudo isso pode ajudar muito. 

O importante é se respeitar. Esse é um período de reconstrução e precisa do seu aval para ficar tudo bem. Sim, vai ficar tudo bem. Você vai ver. 

Compartilhar

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.