por Vanessa Ramos

O poder do número 13

Popularmente o número 13 ficou fortemente marcado como símbolo de azar e, pior ainda, a data da "sexta-feira 13" transformou-se em um tenebroso dia de mau agouro. Mas como formou-se toda essa egrégora?  

Uma das hipóteses, segundo o cristianismo, seria de que Jesus morreu em uma sexta-feira e 13 pessoas estavam presentes em sua última ceia. 

Mais antigo ainda, no paganismo nórdico, existe uma história semelhante, de que o Deus Odin havia oferecido um banquete para mais outros 12 deuses. Lóki, o Deus das trapaças e enigmas, não estava entre os convidados e sua ira acabou por resultar em desgraças no evento. 

Isso te lembra alguma outra história? Sim, isso mesmo! A história da Bela Adormecida, que durante uma celebração no castelo de seu pai, o rei, foi enfeitiçada por Malévola, que não havia sido convidada para a comemoração.

Destes mitos, então, surgiu a crendice de que convidar 13 pessoas para um jantar é uma péssima ideia. E como dizem: "quem conta um conto, aumenta um ponto", na nossa era atual ainda existem tais crenças sobre o mau agouro desta data. Há relatos históricos de que o número 13 dá azar (já reparou que prédios muito antigos removiam o décimo terceiro andar? Ou seja, pulavam do 12° ao 14°), algumas tragédias ocorreram também nas sextas-feiras, não exatamente no dia 13. 

Leia mais sobre mitos e verdades que envolvem o polêmico número 13!

Citando mais uma vez a cultura nórdica, sexta-feira em inglês pronuncia-se "Friday", que a grosso modo traduz-se "dia de Freya", uma Deusa pagã do amor, fertilidade e riqueza (ora, ora... Agora mudamos o contexto um pouco), associada com outras deusas, como Afrodite grega, pois a sexta-feira é o dia de todas essas energias de amor e sexualidade, já que corresponde ao planeta Vênus, do amor, harmonia e relacionamentos. 

Acredita-se também que cruzar com um gato preto neste dia seria péssimo e, já que estamos falando sobre deusas, posso citar mais uma que corresponde às bênçãos de fertilidade, amor, alegria e diversão: a deusa egípcia Bastet, que é representada pela figura de um gato. Eis daí que surgiu toda a devoção ao animal. Para os egípcios, o gato é a própria deusa Bastet encarnada e tido como proteção, sorte e bênçãos divinas. 

No vídeo abaixo, explicarei mais sobre o poder positivo do número 13, suas representações nas cartas do Tarot e como se beneficiar para nunca mais ter medo!

Vanessa Ramos

+ artigos

Terapeuta Reikiana, oraculista, atuante das artes pagãs desde 2001.

Possuo conhecimentos em diversas vertentes do Esoterismo, Ritualística, uso consciente da magia, cristais, ervas e demais terapias holísticas. Cada experiência, muito contribuiu para o meu desenvolvimento e evolução pessoal.

Hoje, além de fazerem parte da minha rotina diária, estão inclusas em minha área profissional nos atendimentos (presenciais e online), na contribuição e orientação para a transformação pessoal de outros, através da espiritualidade.