Compartilhar

por Andrea Pavlovitsch

Por que não consigo dizer não?

Sabemos que estamos fazendo errado. Aquela pessoa do escritório te manda um relatório faltando 5 minutos para fechar numa sexta-feira, pedindo pelo amor de Deus para entregar até segunda, e você topa. Topa, fica brava. Com ela, sim, mas principalmente com você mesma. Não consegue dizer um “não”, um “nãozinho” sequer. Que droga! Lá vai mais um fim de semana perdido.

Aquele cara por quem você é apaixonada, mas que sempre faz tudo errado, te manda um “Oi, sumida” às 11 da noite do sábado. Ele solta um “Vem aqui em casa assistir a um filme”, e você sabe a sequência. Pior, não só a sequência da noite, mas a sequência dos dias que virão depois disso. Drama, choro e uma promessa de nunca mais cair nessa. Mas...

Uma das coisas mais difíceis de falarmos é o “não”. E o pior é que o “não” é uma ferramenta tão poderosa no nosso sucesso e felicidade que nem temos ideia.

Mulher branca com a mão esticada em frente ao rosto.

Mas de onde vem essa coisa, esse medo? Bom, principalmente do medo de magoar. Do medo de não ser vista como uma boa pessoa, uma pessoa que ajuda. Vem da necessidade infantil de agradar, de ser querida e amada o tempo todo. E esses sentimentos de autorrejeição são tão, tão fortes que nos pegam repetindo o padrão o tempo todo.

Como dizer mais "sim" do que "não"

Começar a mudar esse padrão necessita de duas coisas: autoconhecimento e disciplina. O autoconhecimento de saber de onde isso veio. E a disciplina de passar por cima da sua vontade de dizer “sim”, quando sabe que deveria estar dizendo “não”.

Crianças que ouviram muito “não” – veja bem, precisamos ouvir “não”, mas estou falando de exageros – costumam ter mais dificuldade de falar. É como uma necessidade de compensação, já que aqueles “nãos” da infância geraram uma sensação de inadequação. A criança aprende a ser boazinha para sobreviver e para receber um pouco de atenção e amor.

Menina com olhar triste apoiada com o queixo nas duas mãos

Outra coisa que costuma gerar esse medo é o medo de conflito. Novamente, se você cresceu em um lar violento, com muitas brigas e desavenças, possivelmente vai desenvolver o medo do conflito. Então, às vezes, nem é a necessidade de agradar, mas o medo de aquilo dar confusão e você terminar chorando escondida no banheiro do escritório.

As piores coisas para (não) se dizer aos signos

A disciplina vem depois de você entender isso. Começar a ser mais firme com você mesma e passar, ao mesmo tempo, a ser mais legal com você. Não se deixar de lado – não interessa se você não tem nada para fazer no fim de semana, ele é seu. Não permitir que o medo original seja mais forte do que você e a sua felicidade. A firmeza não é se tratar de forma cobradora, mas de ser fiel a si.

Lembre-se de que ninguém vai te amar mais por você não se amar. Ninguém vai passar a te querer ou te validar se você não fizer isso antes. Às vezes, é preciso perder para ganhar. E tudo bem!

Compartilhar

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Psicoterapeuta, taróloga e numeróloga, comecei minhas explorações sobre espiritualidade e autoconhecimento aos 11 anos. Estudei psicologia, publicidade, artes, coaching e várias outras áreas que passam pelo desenvolvimento humano, usando várias técnicas para ajudar as mulheres a se amarem e terem uma vida de deusa. Mãe da Nina de quatro patas, gosto de viajar, ler e sempre continuar estudando.

site andreapavlo.com

twitter @andreapavlo

facebook /AndreaPavlo

email [email protected]

instagram andreapavlo

celular (11) 9.8904-3635

youtube AndreaPavlovitsch