por Andrea Pavlovitsch

Por que somos tão controversos?

...Paz na Terra aos homens de boa vontade...

Uma coisa que eu escuto bastante de todos os meus clientes é: porque eu mudo tanto de opinião? De manhã queremos ser atrizes de cinema. À tarde, só queríamos um pequeno sitio e uma plantação de hortelã e a noite mudou tudo e queremos morar na Espanha com o Antonio Banderas (nada mal).

O humor muda durante o dia. Acordamos com a certeza de que o dia será uma porcaria porque o céu está nublado. Aí vem a hora do almoço, com o seu solzinho, e estamos super felizes porque aconteceu alguma coisa. E a noite pensamos em suicídio. E mudam também as opiniões. Em junho queremos um amor para ser feliz para sempre.

Em agosto decidimos que não deveríamos ter nos casado e que o melhor seria se fôssemos eternamente solteiras. Choramos pelo menos homem, por homens diferentes, ou então juramos o coitado de morte, mortas de raiva, num período de menos de 24 horas. Trocamos o telefone celular porque não estava mesmo muito bom, pintamos o cabelo de loiro porque queremos ser fatais e depois pensamos porque é mesmo que eu não me deixei morena e com o número antigo? Enfim, é uma zona! Uma baita confusão que só faz nos deixar cansadas de tanto pensar. Um dia você acorda e está esgotada com tantas mudanças de pensamentos. É aqui que devemos separar o joio do trigo.

Primeiro, a mudanças é normal. Sim, você não é esquisita porque não usa o mesmo perfume a vida toda ou porque já trocou de emprego 43 vezes aos 22 anos. Não. Estamos vivendo a época das mudanças e isso é algo que precisaremos nos adaptar. Na época dos nossos avôs não existiam tantas opções como agora. Se a pessoa quisesse fazer uma faculdade, poderia escolher entre direito (se quisesse trabalhar com humanas), medicina (se quisesse trabalhar com biológicas) e engenharia (se o negócio do cabra fosse os números). Não tinha muito o que pensar porque no fundo todos nós sabemos a direção, quando nos escutamos.

Se você quisesse um pão na padaria era o francês, e isso nem faz tanto tempo assim. Se quisesse abastecer o carro era gasolina. Não tínhamos muitas e tantas escolhas e era fácil se manter fiel a uma marca de absorvente, porque só tinha aquele e que você se sente sempre livre. Agora, tudo mudou. Temos 32 marcas de absorventes e cada um promete uma coisa mais tentadora do que a outra. Até arzinho lá em baixo eles prometem, o que sinceramente eu nunca entendi direto.

Nas grandes capitais é possível comer comida de quase todos os lugares do mundo, às vezes no mesmo restaurante, como as churrascarias rodízio de São Paulo, por exemplo. Como você quer se manter tradicional neste universo de possibilidades? Sim, mas tem o outro lado. O do humor. Eu escuto muito e sentia isso na pele também, mudanças repentinas de humor que fazem a gente pensar que é bipolar. E não só porque os bipolares estão na moda, mas porque sentimos que as coisas mudam dentro de nós rápido demais.

Ouvi uma explicação um dia para isso que fez todo o sentido do mundo. Só temos dúvidas se não escutamos a nossa alma. E só mudamos tanto de humor porque estamos escutando a cabeça e seus pensamentos (e os outros) e não o que sentimos de verdade. Quantas vezes você já ficou super preocupada com uma coisa que nos final se mostrou uma preocupação completamente inútil? De repente você não recebe aquele dinheiro esperado para aquele dia e o dia, que estava ótimo, vira a treva. Seu humor desaparece, você fica péssimo, super preocupado, mesmo que o devedor tenha prometido para o outro dia. A cabeça começa Mas e se ele não pagar? Sim, porque se ele não pagou hoje, pode ser que amanhã ele nem se lembre. Já sei, vou acordar cedinho e vou ligar para ele. E se ele disser que nunca mais vai me pagar? E se ele morreu? E daí para adiante.

Ouvindo estas fantasias fica mesmo difícil ter um bom dia, não é? E fica difícil manter o bom humor no resto das coisas, ainda mais se estivermos falando mesmo de dinheiro. Então, entendi, que o que muda a nossa percepção é não nos ouvirmos profundamente e não confiar na nossa intuição. e ao invés disso nós pararmos e pensarmos por um minuto ok, não recebi hoje mas não tem problema. A pessoa prometeu para amanhã e amanhã eu penso sobre isso. Hoje vou fazer o que eu posso. Pronto. O problema acabou para você e você continuará fazendo as suas coisas numa boa. Nem vai começar a pensar que este seu trabalho é mesmo uma merda, que você deveria ter um emprego fixo ou qualquer coisa do gênero. Simplesmente vai deixar as coisas passarem sem encher a cabeça de porcarias.

Entendi e estou fazendo isso. E, meu Deus, como é mais fácil a minha vida. Ás vezes sim, claro, preciso fazer algumas mudanças reais, porque a vida pede isso o tempo todo. Mas simplesmente vou lá e mudo, sem pensar no que os outros estão pensando ou se terei que remudar daqui a dois dias. O problema é meu, ué! Então, vamos nos assumir e nos permitir? As pessoas têm bocas para falar, então deixe que digam, que pensem, que falem... deixe isso pra lá, vem pra cá o que é tem? O que vale para você é você com você! E o que isso significa de paz na sua cabeça.

A palavra de ordem do dia é paz. Paz na mente. Paz no corpo. Paz na alma. Paz no mundo.

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.