Compartilhar

por Erickson Rosa

3 causas do sofrimento e 3 causas da felicidade

Em nossa sociedade a felicidade está embasada na obtenção de 3 condições. Quando falo dessas condições, quase ninguém concorda, mas, na verdade, todas as ações são tomadas pela perspectiva de obter essas condições. Quero falar sobre isso e como nos enganamos achando que alcançar essas situações poderá nos levar à felicidade, quando na verdade nos acarretará mais sofrimento e aflição. Na contramão disso, quero apresentar 3 outras construções que podemos ter para obtermos uma vida mais saudável, feliz e realizada.

3 causas da felicidade (condicionada) que podem gerar sofrimento

Em nossa sociedade buscamos por três coisas, que, teoricamente, nos trarão mais felicidade. A primeira delas é o poder financeiro. O dinheiro e os bens são a sustentação de nossa vida e quanto mais temos disso mais podemos ter coisas que nos trariam felicidade. Entretanto, há aqui uma armadilha. Se é preciso ter dinheiro para ser feliz, então quanto mais dinheiro tenho, mais feliz eu sou. Ocorre que a pessoa fica a vida toda buscando por mais poder financeiro e se esquece de que a felicidade não está no dinheiro. Ele apenas cria uma condição que precisará ser sustentada. Caso perca esse poder, isso produzirá muito sofrimento e na possibilidade de perda a pessoa fará de tudo para que isso não aconteça. Sem perceber, ela estará envolta no sofrimento para manter a situação. Isso é o sofrimento inseparável do desejo. O dinheiro acaba sendo o fim por si só da felicidade, mas isso não a produz. O que gera é uma sensação de prazer momentânea, que rapidamente se esvai quando o recurso se esgota. A felicidade está condicionada.

A segunda causa é o status. Temos então uma situação que nos permite crer que se temos uma determinada posição, isso nos trará vantagem. Essa é a mesma armadilha da aquisição material. Nossa felicidade está na dependência de um lugar e de uma posição. Seja essa posição profissional ou social. Passamos então a fazer de tudo para manter esse status. Muitas pessoas se endividam para que consigam manter o mesmo status, crendo que sem essa posição não são ninguém. Esquecem que todo ser possui a capacidade de se manifestar de múltiplas formas e de que a felicidade não precisa depender dessa condição, mas sim de uma visão interior de como a mente e a vida operam.

A terceira condição convencional é a fama. A fama é um dos grandes problemas que fazem os artistas sofrerem. Isso porque sua vida é exposta o tempo todo. Desejamos ser famosos porque queremos que todos nos reconheçam e nos entendam. Mas o que acontece é que o que cada pessoa vê é muito singular e é preciso que alguém conviva conosco durante um tempo para que nos compreenda profundamente. Apenas ver uma parte de nossa manifestação não é o que nos trará a felicidade. Melhor termos relações mais profundas e que a conexão com o outro seja realmente verdadeira.

Existe um caminho para felicidade ou a felicidade é o caminho? Reflita com nosso artigo

3 causas da real felicidade 

O dinheiro é necessário para podermos nos manter, mas na verdade o que nos mantém é a rede de apoio que temos com nossos familiares e amigos. Se temos uma família que nos ajuda e que ajudamos, teremos sempre com quem contar. A rede de apoio, ou seja, a conexão com as pessoas é o que mantém nossa vida. Se expandirmos isso para a comunidade e para nossos amigos, teremos sempre com quem contar. Beneficiamos e somos beneficiados por esse contato. Isso acontece até mesmo em nosso trabalho. Você está no lugar que ocupa porque beneficia quem está lá e as pessoas o querem por perto. Porém, tudo é transitório. O Universo está sempre em movimento e não há nada neste mundo que dure para sempre. Por essa razão ocorrem as demissões. O tempo naquele local se encerra e começamos outro ciclo. Mas se geramos benefícios para as pessoas daquele lugar, nossa relação com elas não termina. Isso amplia nossa conexão com o outro. Ampliar nossa rede é o que nos sustenta no mundo.

Ao ampliarmos a rede, iremos ter o sentimento de pertencimento. Pertencemos a uma família muito maior do que a que originamos. Essa vida em comunidade nos dá um sentimento de pertencer àquele lugar. Essa felicidade é estabelecida no contato com o outro e com a rede que ali opera. Mas só podemos nos sentir pertencentes se formos úteis. Eis aqui o terceiro ponto sobre felicidade: utilidade para os outros. Mas essa utilidade não é o que os outros percebem, mas como nos sentimos quando oferecemos ao outro o que de melhor possuímos no intuito de ajudar. Isso cria nosso propósito. O propósito nos convida a sair de nosso autocentramento e de olhar o mundo de maneira mais ampla, vendo que não há fronteiras para nosso coração e que podemos partilhar nossa felicidade.

Compartilho com você este texto e espero que o tenha beneficiado. Esta é minha forma de ajudá-lo a encontrar a alegria livre e sem condicionamentos, autossurgida dentro de você para o mundo.


Leia também: Desapegue para ser leve

Compartilhar

Erickson Rosa

+ artigos

Psicólogo clínico laureado pela PUCRS. Atende crianças, jovens e adultos. Palestrante sobre a temática do inconsciente.