Compartilhar

por Erickson Rosa

Como ampliar nossa mente em momentos de crise

Ninguém gosta de situações difíceis ou de grande privação. Mas saiba que momentos de dificuldade podem se tornar grandes aprendizados. Neste texto, quero ajudar você a desenvolver uma visão diferente sobre os problemas, sejam eles quais forem. Tenho certeza de que, ao final desta leitura, sua perspectiva do que faz você sofrer irá mudar.

O que aprendemos com o sofrimento

Homem de costas na beira do mar olhando seu próprio reflexo

Nenhuma pessoa propriamente deseja que o sofrimento apareça em sua vida. Entretanto, por mais que sempre desejemos que coisas ruins não aconteçam, elas ocorrem. É impossível viver uma vida somente na satisfação, sem nenhum problema. Mesmo assim, temos a capacidade de alterar a noção do sofrimento.

Temos a capacidade de mudar nosso olhar e entender o que podemos aprender com aquilo tudo. Isso parece ser simples, mas, dependendo da situação, sentimos que não temos poder nenhum. Por exemplo, perder um filho.

Conheça a origem do sofrimento e suas 3 causas

Contudo, no sofrimento, nos deparamos com algumas verdades universais da vida, e eu quero que, no momento em que estiver sofrendo, você as contemple:

Impermanência: nada dura para sempre, e tudo tem um final. Seja a vida de quem amamos, seja nossa própria vida, tudo termina um dia. Essa noção pode parecer terrível, mas na verdade nos indica que devemos valorizar a presença de cada pessoa que cruza nossa vida. Pense em seus amigos de infância que não você vê mais. Eles cruzaram sua vida, e depois aquilo passou.

Sabendo dessa impermanência, devemos dar valor a cada momento, não desperdiçando com tristezas ou reclamações. Devemos valorizar o tempo que temos com as pessoas que amamos. Pense também que, se momentos bons têm um fim, momentos ruins também.

Duas pessoas sentadas assistindo um pôr do sol à esquerda de uma árvore

As pessoas são mais importantes: em nossa sociedade, corremos atrás das construções, valorizando nossos bens e coisas adquiridas. Não há nada de errado nisso, exceto quando valorizamos mais as coisas que as pessoas. Quando trabalhei no hospital, atendi algumas pessoas em fase terminal da vida. Nunca nenhuma me disse que queria ter mais tempo com as coisas. Elas sempre desejavam ter mais tempo com quem amavam. Valorize as pessoas e não as coisas.

Nossa percepção sobre algo sempre muda: nossa percepção sobre as coisas tende a mudar. Temos essa capacidade de alterar nosso passado e como olhávamos para as coisas. Por exemplo, se uma pessoa é demitida, ela pode ficar muito triste no primeiro momento. Mas passa um tempo, e ela diz que encontrou um outro lugar muito melhor, e sua percepção é: “Por que fiquei tanto tempo lá”?

Essa mudança de olhar é nossa capacidade de criar nossa própria realidade. Podemos criar um mundo de felicidade para nós, sem precisarmos depositar nossa alegria nas coisas. Entendendo que nosso olhar cria nossa realidade, podemos trabalhar esse aspecto interno.

Trabalhando o interior

Homem sentado de lado em um trilho de trem no fim da tarde olhando para o horizonte

A maioria das pessoas se concentra em mudar as condições externas para que a felicidade seja alcançada. Contudo não são os aspectos internos que produzem felicidade, mas sim nossa visão sobre eles. Por exemplo, se o carro tivesse o aspecto da felicidade, toda pessoa que se envolvesse com ele seria feliz na mesma hora. Mas não vemos isso. Cada carro desperta uma sensação de acordo com a visão da pessoa.

Construímos tudo assim. Proponho então uma nova percepção, de trabalharmos internamente e não externamente nossa felicidade. Buscar entender o que gera essa alegria quando olhamos as coisas que nos atraem.

Se fizer isso, verá que além de ver de outra maneira o que te faz sofrer, poderá entender que a alegria e felicidade não é gerada em outro lugar que não dentro de você.

5 hábitos que "roubam" sua felicidade

Compartilhar

Erickson Rosa

+ artigos

Psicólogo clínico laureado pela PUCRS. Atende crianças, jovens e adultos. Palestrante sobre a temática do inconsciente.