Compartilhar

por Andrea Pavlovitsch

Julgar x comentar

A moça estava com um lindo sobretudo laranja, num frio de inverno em São Paulo. Eu, na fila de uma cafeteria, achei o casaco lindo e continuei vivendo a minha vida. Na minha frente, um casal conversava.

Ele falou: “Nossa, olha aquele casaco da mulher. Ela está fluorescente. Está querendo aparecer mesmo” e ela “Para de julgar a mulher, o casaco é bonito”. No que ele responde: “Eu não estou julgando. Estou só comentando”. Ai gente, como é comum a gente se justificar das porcarias que fazemos falando isso, né?

Meu amor, você achou que ela só queria chamar a atenção com o casaco, comentou isso em voz alta e diz que foi só um comentário? Não, foi um julgamento. Completo. Você a acusou, julgou e condenou “mulher que só quer chamar a atenção”.

Fazemos isso o tempo todo, e em muitos casos julgar é útil. Você precisa de elementos para viver. Se contrata um pedreiro para arrumar a sua casa e nunca o viu antes, vai julgá-lo. Vai analisar a maneira que se veste, como ele fala. Vai perceber se ele sabe do que está falando quando diz que vai quebrar o seu banheiro todo por conta de um vazamento.

Não vai querer colocar a sua casa nas mãos de alguém que não saiba o que está fazendo. 

Mas o problema é que usamos isso demais, e o tempo todo, e com assuntos que não nos interessam ou mudariam a nossa vida e depois chamamos isso de comentários.

A vida dele não mudou porque a mulher estava usando um casaco laranja, mas ele se melindrou com o fato. Talvez o sonho dele fosse ser alguém que chamasse a atenção, mas não consegue, então, julga quem o faz. Talvez não, deve ser isso mesmo.

Quando se pegar “comentando” algo, se perceba. Veja o que de fato aquilo quer dizer. Freud tem uma frase muito boa e que devemos estar atentos:

“Quando Pedro me fala de Paulo, eu sei mais sobre Pedro do que sobre Paulo”.

 

Essa frase norteia a minha vida, principalmente quando os tais julgamentos são contra a minha própria pessoa. Aí sim, podemos perceber os nossos próprios julgamentos e corrigir essa rota de colisão com o mundo.

Compartilhar

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Psicoterapeuta, taróloga e numeróloga, comecei minhas explorações sobre espiritualidade e autoconhecimento aos 11 anos. Estudei psicologia, publicidade, artes, coaching e várias outras áreas que passam pelo desenvolvimento humano, usando várias técnicas para ajudar as mulheres a se amarem e terem uma vida de deusa. Mãe da Nina de quatro patas, gosto de viajar, ler e sempre continuar estudando.

site andreapavlo.com

twitter @andreapavlo

facebook /AndreaPavlo

email [email protected]

instagram andreapavlo

celular (11) 9.8904-3635

youtube AndreaPavlovitsch