Compartilhar

por Andrea Pavlovitsch

O poder da materialização

Eu estava na casa de uma amiga estes dias. Ela tem uma “casa de bruxa”, destas com um vasto jardim que quase engole a gente quando tentamos subir as escadinhas. Um portão baixo nos separa da rua, mas é tão baixo e tão fácil de pular que ela nunca se deu ao trabalho de trancar. Depois da escada, existe uma grande porta de vidro com um pequeno jardim de inverno e só depois a sala. Estas duas portas, sim, ficam trancadas noite e dia. O portãozinho não.

Conversamos durante duas horas sobre a vida e, principalmente, sobre fenômenos extrafísicos. Ela é xamã, entende destas coisas como poucos. Eu estava com alguns problemas pessoais e sabia que tinha “boi na linha”, ou seja, alguma influência espiritual nas minhas questões. Trabalhamos bem isso nestas duas horas, ela fez uma bonita limpeza com os cristais e chegou a minha hora de ir embora.

Desci as escadinhas, depois de me despedir e atravessar a vasta fauna do jardim. Cheguei ao pé da rua e puxei o portão, que costuma ser bem solto. Nada. Puxei mais um pouco e tentei alguns ângulos diferentes – todos sabem que, nas casas velhas, precisamos de um jeitinho para abrir as portas. Nada aconteceu. Achei estranho e voltei para chamar a assistente dela. “O portão está trancado”, falei. Ela riu, disse que era impossível e que ela nem sabia onde estaria a chave. E desceu comigo para dar o tal “jeitinho”. Ela tentou, tentou, tentou e, cansada e frustrada, aceitou: sim, o portão estava trancado. Só ela e a minha amiga entram lá. A chave estava desaparecida. Como o portão foi trancado? Isso é o que chamamos de materialização.

A conversa era sim sobre alguns caminhos meus que considero fechados. Situações que tento mudar há anos e não consigo e o porquê daquilo tudo. Falamos sobre espíritos, sim, mas não sabia que veria a coisa se manifestar tão na minha frente.

Saí pensando no poder das nossas palavras. O que conversamos, a maneira como conversamos, a manifestação em um portão trancado. Então, porque, as mesmas palavras ou outras não poderiam manifestar coisas diferentes? Não temos ideia do quanto isso é forte e do poder que isso tem. O quanto podemos manifestar através das nossas palavras e das nossas ações. Pensar mal gera mal. Pensar no bem gera o bem e esse exemplo mostra bem isso. Manifestou a sensação de um portão trancado que eu estava tendo na vida. Me mostrou que necessito procurar a chave e abrir estes portões.

Assim é tudo. Até as pequenas coisas. Minha irmã sempre pede para “São Rafael” uma vaga de estacionamento, principalmente naquelas situações de véspera de Natal e outros feriados no shopping. E ela sempre consegue. Não, eu estou falando sério. Sempre. Não sei se é o próprio São Rafael, alguém da equipe dele ou só a força da palavra dela (eu acredito muito nisso), mas funciona.

Então, o recado é: cuidado com o que você pede e com o que você fala. Tudo pode ser transformado em realidade, por mais estapafúrdia que pareça. Orai e vigiai seus pensamentos e ações, o tempo todo. Pode ser uma coisa simples. Mas pode ser mais complicado do que isso.

Compartilhar

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.