Compartilhar

por Juliana Arakaki

Herança Astrológica

A Astrologia estuda o posicionamento dos astros no momento do nascimento da pessoa ou início de determinado evento, assim podendo delinear traços de sua personalidade, comportamento, relacionamentos, bem como os momentos mais favoráveis para as ações. O estudo da personalidade é importante para o autoconhecimento do indivíduo, para a reflexão, aprimoramento pessoal e de suas relações. O principal foco é o bem-estar e a melhoria da qualidade de vida ao reconhecer as potencialidades e fragilidades.

Mas você sabia que as características do mapa natal de uma pessoa são extremamente semelhantes entre os membros de uma mesma família? Elas se repetem ao longo das gerações e podem ser apontadas na

comparação de mapas astrológicos de indivíduos, indicando tendências relacionadas à saúde, traços e padrões de comportamento, escolhas similares de profissão, e até mesmo as características físicas relacionadas a aparência. Já reparou como algumas famílias repetem padrões relativos à vícios por gerações? Ou mesmo as histórias sobre os relacionamentos afetivos tão parecidas entre mães, filhas e netas? Tudo isso pode ser apontado nas caraterísticas astrais identificadas no mapa natal. O estudo começa na comparação entre os mapas dos membros de uma mesma família, normalmente, pais e filhos, identificando primeiramente os posicionamentos  do signo Solar, Lunar, Ascendente e Meio do Céu, os aspectos que fazem e suas incidências.

Como exemplo, por vezes encontraremos o signo solar do filho como signo lunar de sua mãe, signo lunar do pai como o signo solar do filho, ou mesmo o signo ascendente do pai sobreposto em sinastria sobre o Meio do Céu do filho. Outro exemplo a ser considerado: mulheres da mesma família possuírem aspectos entre Vênus-Marte, quando não, a Vênus localizada nos signos regidos por Marte (Áries ou Escorpião). É certo sempre haver uma correspondência predominante entre os mapas natais de pessoas do mesmo núcleo familiar.

É fato o comportamento humano ser afetado por eventos externos por gerações. A reação ao perigo, o medo da morte e a busca por agrupamento são ações instintivas originárias da luta pela sobrevivência. Não apenas baseados na observação e conclusão científica, mas a simples observação evidencia o quanto os nossos padrões comportamentais são igualmente afetados por experiências negativas vividas por nossos antepassados.

Os estudos relacionados à hereditariedade – biogenealógica - não é incisivo a respeito do fator determinante de pontos específicos da herança genética. Suas conclusões baseiam-se em predisposições. Já a Astrologia acompanha plenamente e?ste raciocínio. Ainda que encontradas as repetições e semelhanças descritas pela teoria da hereditariedade astrológica, não há que se determinar como características cruciais da formação e constituição do indivíduo.

Diversos astrólogos procuraram nos traços familiares a retificação horária, tudo para tornar a interpretação do mapa astral mais objetiva. Assim, tornaram-se mais evidentes os métodos já utilizados e descobriu novas técnicas e possibilitaram uma nova visão, visto que a comparação de mapas até esta época era considerada arcaica, por maior que fosse o objetivo para sua utilização, como é o caso da comparação de mapas entre pais e filhos aspirantes ao poder dos Estados (reis e imperadores).

O avanço das pesquisas originou a Teoria da Hereditariedade Astrológica que se mostra eficaz para traçar o perfil psicológico dos indivíduos, investigando os traços comportamentais familiares, definindo e aperfeiçoando os relacionamentos interfamiliares, astrologia médica, quando visa as fragilidades e potencialidades da saúde.

A importância da história de nossa genealogia é tão evidente para os fatores biológicos e é capaz de influenciar nossas escolhas. Assim, conhecer as influências possíveis trás luz aos caminhos mais misteriosos de nossa mente.

A análise do mapa sob este foco mostra como a hereditariedade pode afetar o desenvolvimento do ser, oferecendo escolhas para os padrões encontrados, bem como o aprimoramento das qualidades herdadas e comportamentos negativos, além do uso de qualidades positivas não observadas.

Todos os seres racionais são livres para exercer as suas escolhas. Não há limites para a mente humana. Entender os caminhos existentes é fundamental para definir as escolhas. Melhore sua vida todos os dias!

Compartilhar

Juliana Arakaki

+ artigos

Astróloga Paulista, iniciou os estudos de Astrologia há mais de 20 anos como autodidata, é formada pela Gaia Escola de Astrologia e membro da Associação Brasileira de Astrologia (nº 6882). Realiza atendimentos empresariais e pessoais voltados ao autoconhecimento, bem-estar e qualidade de vida, relacionamentos interpessoais, afetivos e familiares, vocações e previsões. Participa de eventos voltados para a saúde, bem estar e qualidade de vida. Escritora de artigos em jornais e revistas no Brasil, Portugal e Japão.